Is there anybody going to listen to my story?

|
Demorou um pouco, mas consegui assistir ao filme mais esperado (por mim) dos últimos tempos. Também demorou pra eu retomar o fôlego e conseguir verbalizar alguma coisa sobre Across the Universe, da diretora Julie Taymor.
Se for falar de roteiro, vou cair nas mil e uma críticas que li por aí dizendo que o filme não tem um e que a história é boba. Graças a Deus não sou crítica de cinema e meus pensamentos são baseados unicamente na minha (pouca) experiência somada à emoção.
Quisera poder medir cada cena em que fiquei realmente sem ar, arrepiada dos pés à cabeça, com vontade de cantar e dançar pela sala.
As músicas são certeiras – poxa, é Beatles! Adorei as vozes, principalmente as masculinas, mas o que mais me impressionou foi o colorido do filme, o astral lá em cima, mesmo nas cenas de guerra.
Será que um dia farão alguma coisa parecida dando um tapa na cara do senhor Bush? Triste pensar que a trilha sonora não terá a mesma poesia. Por isso dizem que o sonho acabou, mesmo a gente tendo filmes como esse pra ter certeza que não.



Bonus Track

- 90% das canções foram gravadas ao vivo nos sets de filmagens, sem qualquer dublagem feita em estúdio durante a pós-produção.

- A cena em que Evan Rachel Wood canta "If I Fell" foi gravada logo em sua 1ª tentativa.

- Versões preliminares do roteiro previam a presença de um carcereiro chamado Sgt. Pepper, que seria seguido pela Sgt. Pepper Lonely Hearts Club Band. O personagem foi descartado na versão final do roteiro.

- Durante a canção "With a Little Help From My Friends" pode ser visto um grande pôster da atriz Brigitte Bardot. Trata-se de uma referência à conhecida obsessão que John Lennon tinha pela atriz.

- Os nomes de todos os personagens - assim como o título do filme - foram retirados de canções dos Beatles.

- Salma Hayek, que já trabalhou com a diretora Julie Taymor em Frida (2002), pediu para participar do filme, mesmo que fosse em um papel pequeno.

- No início do filme, um funcionário das docas de Liverpool diz à Jude que ele achava que estaria fazendo algo diferente quando fizesse 64 anos, uma referência à música de Paul McCartney "When I’m Sixty-Four". Em outro momento, quando Prudence entra de forma inusitada no tumultuado apartamento de Nova York, Jude fala “ela entrou pela janela do banheiro” (“she came in through the bathroom window”), referência à canção homônima do grupo.

- Outra interessante referência ocorre quando Sadie mostra o apartamento para Max e Jude. A cantora afirma que por mais que parecessem inofensivos eles podiam ter matado os avós com marteladas, uma alusão à música “Maxwell’s Silver Hammer”.

- Sadie e JoJo são referências claras à Janis Joplin e Jimi Hendrix, mas também são citações aos besouros. Sadie é uma referência à "Sexy Sadie" do badalado White Album, enquanto JoJo é uma menção ao primeiro verso de “Get Back” (“JoJo was a man who thought he was a loner/But he knew it wouldn’t last”).

- “Across the Universe”, que teve sua produção apoiada por Paul McCartney e Yoko Ono, conta com muitas outras menções aos Beatles. Temos a maçã verde, inteira e cortada ao meio – símbolos da gravadora do grupo a Apple Records; temos Jude e Lucy imitando debaixo d’água a famosa foto de Annie Leibovitz com Lennon e Yoko abraçados na capa da revista Rolling Stone; e temos ainda uma performance musical da banda de Sadie em cima do prédio da Apple Records (no filme chamada de Strawberry Records) em NY igual a realizada pelos Beatles em 1969.

- A construção visual da seqüência do ônibus I am the Walrus foi inspirada no filme “O Diário de Júlia”, de Rafael Fracacio, que usa de distorções de cores para recriar o universo psicodélico.

1 comentários:

enio disse...

Ana! Tão bom bom ver uma pessoa escrever sobre beatles sem falar bobagens!!!

Bacana esse teu post (não só pelo assunto mas pela dinâmica).


Beijo e thanx pela maneira carinhosa que vc e Alan receberam a mim e a Ana aquele dia, viu?