***FILOSOFIA DE BOTEQUIM DETECTED***

|
Não há nada que uma boa conversa no messenger não resolva. Naquelas janelinhas piscantes, é possível, ao mesmo tempo, discursar sobre a estrutura óssea do bailarino e tecer comentários maldosos sobre o gordinho babaca da agência. Com algumas amigas a gente fala bem sério e com outras tem ataques de risos que fazem o departamento inteiro se perguntar “o que essa louca tem hoje?”.

Tenho uma amiga que é A companheira de todas as horas emesseênicas. Porque trabalhamos mais ou menos no mesmo ritmo, ela sempre está ali. Com ela eu falo de cortes de cabelos e de todas as vezes em que fiz e vou fazer coisas estúpidas com a minha vida. Ou com o cabelo, não importa. Mas geralmente é ela quem me faz ter os pés no chão e a cabeça nas nuvens.

Outra amiga é aquela que vive correndo, não responde muito rapidamente aos meus apelos desesperados de carência afetiva e me larga falando sozinha nas vezes que precisa sair porque sua vida não se resume ao computador. Às vezes eu sou essa amiga também.

Tem também uma gente que se reúne no chá da tarde virtual. Sim, ladys and gentlemen. Na maior falta do que fazer detected ou simplesmente falta de vontade de trabalhar, essas pessoas se reúnem para criar uma profusão de diálogos interligados e que geralmente não dão em nada. Mas nessas horas a gente aprende os melhores palavrões da vida.

Os homens tem uma relação diferente com o messenger: geralmente o usam para ofender o time do outro. E isso é tudo. Ou então eles usam a ferramentinha como forma de abordagem, prática altamente condenável, já que nada ainda superou as flores e os chocolates Lindt (a não ser os Godiva e os Guylian).

Alguns queridos não podem usar o brinquedo. Outros não querem. As pessoas bloqueadas também existem e são importantes.

Há pessoas com quem falo todos os dias que moram longe, ou com quem não me encontro tão freqüentemente, mas que sempre estarão perto. Aquelas que você tem certeza que quando encontrar vai sobrar assunto, vocês não vão calar a boca, vão perder o fio da meada e depois vão precisar passar tudo a limpo no msn de novo.

E tem aquelas que você tem medo de ver. Não sei. Eu tenho uma tendência muito forte a desmistificar as coisas que conheço no mundo real. E, se elas não perdem o encanto e a magia, ao menos me parecem desprovidas da moldura do imaginário, o que, convenhamos, não tem tanta graça assim quando começam a falar com a boca e não com os dedos. Frases feitas, geralmente. Tem gente que você deve deixar quieta no canto. Ela não serve para o mundo real, não cabe em sua vida e simplesmente não seria metade do que vendeu naquele pequeno espaço onde colocamos foto e nicknames. Tem gente que não é segura.

Mas, por outro lado, você consegue economizar horas em terapia ao conversar com seres humanos que de longe podem te dar um caminho quando te faltar o chão. Quando você tem dúvidas existenciais no meio de uma tarde friorenta, quando tem certeza que está fazendo a maior besteira do dia, quando não tem certeza se aquela vírgula separa predicado de complemento e quando não sabe o que vai fazer para o jantar.

Hoje veio lá do sul a melhor resposta para uma coisa que não perguntei. Eu usei uma foto antiga dos meus pés usando pantufas. Tudo a ver com o dia. E uma amiga disse que não gostava delas. Como assim alguém pode não gostar de uma coisa tão fofa e aconchegante? E ela me disse: “pantufas são fofas, mas têm sola fina.” Verdade. Pantufas são uma fraude. Uma grande mentira! Quando você mais precisa sentir seus pés protegidos e quentinhos, se engana com aquela coisa que te mostra que o chão continua gelado. Bah, como diria Alessandra.

2 comentários:

Raoní Santos disse...

ahahah nada para as meninas... o personagem principal do filme é um moleque com cara de zé mané...

e um robô metido a esperto rs

Raoní Santos disse...

ahaha agora que eu li o post...

grrandes verdades sobre o MSN... me faz lembrar nostalgicamente do lendário : A- au" do ICQ....

tenho amigos emessenicos a mais de 6 / 7 anos..... acho que na vida real eles nao seriam tao legais pra mim ..suprem essa falta apenas na vida imaginaria/virtual


e sobre as pantufas...... poxa vida... como ngm pensou nisso antes...

Pantufa é como mulher/homem feia(o)
em casa ate quebra um galho.. mas na rua da uma vergonha